Logo
Opinião

OPINIÃO: Desmaterialização

14 Junho, 2023 | 11:27
Partilhar
Ilda Araújo Novo
3 min. leitura

Não é de agora a tendência crescente, nas nossas escolas, da generalização de ambientes de aprendizagem virtual. 

 “A Suécia decidiu acabar com os “tablets” nas escolas para regressar aos tradicionais manuais escolares em papel. A decisão é tomada com base em vários estudos que demonstram que os ecrãs interactivos refreiam o desenvolvimento da inteligência. A presença dos tablets na sala de aula estava a ser mais prejudicial do que benéfica para um saudável desenvolvimento da aprendizagem. A notícia foi publicada quinta-feira, dia 1, na página 20 do jornal francês “Liberation”.”

Não é de agora a tendência crescente, nas nossas escolas, da generalização de ambientes de aprendizagem virtual. 

Professores e alunos fazem já uma utilização intensiva dos recursos educativos digitais disponibilizados pelas diversas editoras que, cumulativamente com a aquisição dos manuais em papel, proporcionam o acesso ao manual digital.

No concelho de Viana do Castelo, na sua generalidade, as escolas estão hoje em dia equipadas de boas estruturas tecnológicas. A utilização do computador ou de quadros interactivos, o uso de tablets e até de smartphones – estes menos comuns nas salas de aula -, fazem a diferença como suporte e mediadores de novas formas de proporcionar aprendizagens significativas.

Um manual digital interactivo é, efectivamente, um factor de mudança, quando alicerçado em ambientes de aprendizagem activa, que se desejam e que, a generalizar-se com os adequados equipamentos de suporte, poderá implicar mudar totalmente o paradigma do ensinar e aprender. 

Portanto, merece séria ponderação dotar a comunidade escolar de uma solução tecnológica abrangente, que se adeque aos diferentes contextos de aprendizagem, quer em sala de aula, quer no estudo autónomo nos diferentes níveis de ensino.

Contudo, há igualmente que ponderar e avaliar os impactos da sua eventual universalização, que muitos preconizam. É que a bondade da pretensão pode resultar, não na atenuação, mas sim em descriminação e na potenciação de diferenças sociais e económicas e, a longo prazo, em  prejuízos no próprio processo de aprendizagem. 

É do conhecimento público a existência de projectos piloto e estudos a decorrer nesta área. Há que os concluir e avaliar adequadamente, nomeadamente no que respeita aos impactos e objectivos pretendidos. 

Com efeito, é inegável haver indícios que apontam vantagens na dimensão da motivação e da aquisição de competências transversais. Todavia, segundo um estudo da Universidade Católica Portuguesa, o impacto na aprendizagem e, mais concretamente, a relevância nos resultados escolares, não é ainda suficientemente concludente.

Não basta tecnologia, espaço e alunos para que as aprendizagens se façam. A realidade não é assim, há outras dimensões a considerar. 

A título de exemplo: um estudo realizado em 10 países europeus – Portugal incluído – e asiáticos, levado a cabo na London School of Economics pelo Departamento Media & Communications, concluiu que escrever à mão e ler – livros ou material didáctico – em papel, facilita a concentração e proporciona uma maior absorção de informação.

Este estudo vem ao encontro das razões subjacentes à decisão na Suécia. 

Pretende-se fazer mais e melhor com menos, ensinar e aprender melhor. Mas um processo de 

simples substituição de manuais em papel por manuais em suporte digital exige prudência e ponderação.  

Para ter um eventual sistema 1:1, seja por acção institucional, seja numa política de BYOD (Bring your own device = traz o teu próprio equipamento), naturalmente, para introduzir novas e adequadas metodologias e estratégias educativas, há que considerar o que outros países já concluíram: que o digital nem sempre é o melhor. 

Devo ainda salientar que, segundo o artigo no “Liberation”, “a leitura em ecrã fica menos “impressa” na memória do que a leitura em papel (…), sendo sublinhado “que a escola reclama paciência, um discurso personalizado, o diálogo, o questionamento para compreender o mundo”. 

No meu entendimento, o equilíbrio e a complementaridade deverão ser considerados, nunca a desmaterialização generalizada ou definitiva dos manuais escolares.

A Blisq Creative é uma agência de comunicação, especialista em planeamento estratégico, marketing digital, design e web. Orientamo-nos pela estratégia e pela criatividade

Programas de Autor

Episódios Recentes Ver Mais

Notícias

Regional 17 Maio, 2024

APPACDM de Viana do Castelo vence IV Jornadas Inclusivas de Paredes

A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) de Viana do Castelo conquistou a primeira classificação nas IV Jornadas Inclusivas – Paredes, no Porto.

Regional 17 Maio, 2024

Ponte de Lima organiza segundo simpósio internacional de gastronomia em julho

A Câmara de Ponte de Lima e o Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) organizam o segundo simpósio dedicado ao património gastronómico do Alto Minho, a 04 e 05 de julho, no Palacete Villa Moraes.

Regional 17 Maio, 2024

Município de Viana do Castelo constitui Conselho Municipal de Baldios

A Câmara de Viana do Castelo instalou o Conselho Municipal de Baldios de Viana do Castelo, órgão de natureza consultivo constituído por representantes das 13 unidades de baldios do concelho.

Regional 17 Maio, 2024

Carlos Plácido vai pedalar cerca de 500 quilómetros até Lisboa

Um transplante pulmonar permitiu a Carlos Plácido, de Santa Marta de Portuzelo, em Viana do Castelo, voltar a andar de bicicleta. Agora, em forma de agradecimento e encorajamento de outros doentes em lista de espera, quer realizar um sonho: ir à consulta no hospital de Santa Marta, em Lisboa, a pedalar.

Regional 17 Maio, 2024

Navio NRP Rio Minho aberto a visitas no fim de semana

O navio NRP Rio Minho, em missão naquele troço internacional de água, está atracado no cais do Parque de Lazer do Castelinho, em Vila Nova de Cerveira, de portas abertas a visitantes durante o fim de semana.

Regional 17 Maio, 2024

Mais habitações da freguesia de Mujães com ligação à rede de saneamento

A estação elevatória de águas residuais de Agra da Aldeia, freguesia de Mujães, em Viana do Castelo, entrou em funcionamento, permitindo a ligação ao saneamento da rede pública de 55 fogos, servindo 111 habitantes.

Regional 17 Maio, 2024

Insufláveis, torneio de futebol ou “Festa do Sável” abrilhantam o Dia Mundial da Criança em Lanhelas

A freguesia de Lanhelas, no Município de Caminha, vai assinalar o Dia Mundial da Criança, 1 de junho, com várias atividades, para miúdos e graúdos, no Estádio Ilídio Couto, no Cruzeiro da Independência e nos Jardins de São Gregório.