Logo
Nacional

Eixo Atlântico apresenta o primeiro Mapa de Coesão de um sistema urbano transfronteiriço

9 Novembro, 2022 | 16:32
Partilhar
Eduarda Alves
4 min. leitura

O secretário-geral do Eixo Atlântico, Xoán Vázquez Mao e o coordenador do relatório, Roberto San Salvador, apresentaram o Mapa de Coesão do Sistema Urbano do Eixo Atlântico à Comissão Política de Política Social, dirigida pelo presidente do Governo provincial de Lugo e presidente da Câmara Municipal de Monforte de Lemos, José Tomé. O relatório mede o nível de coesão da Eurorregião e inicia um processo de inovação transformadora dos serviços e políticas sociais das cidades do Eixo.

O presidente do município de Monforte de Lemos, sublinhou que a cooperação entre administrações públicas “é a razão de ser do próprio Eixo, e este Mapa é um exemplo dos objetivos que se podem conseguir com essa colaboração. Porque um trabalho desta envergadura não poderia ser assumido em solitário por cada câmara municipal”. José Tomé destacou ainda que esta análise “compõe uma foto, a mais exata possível da realidade do conjunto do território”.

Este relatório pretende partilhar informações dos municípios do Eixo Atlântico entre eles para corrigir as desigualdades e melhorar as políticas coincidindo com os reptos globais do âmbito local definidas pela Agenda Urbana.

O relatório foi elaborado pela equipa de Investigação da Universidade de Deusto Cities Lab Katedra, composta por:
º Roberto San Salvador del Valle
º Braulio Gómez
º Fernando Villatoro
º Martiño Rubal
º Nerea Aranbarri
º María Jesús Monteagudo
º Geana de Miranda

O presidente da Comissão Política de Política Social do Eixo, José Tomé, destacou que esta publicação “não está pensada para permanecer na estante de uma biblioteca. Está pensada para estar nas mesas dos responsáveis políticos e dos técnicos, para ajudá-los a desenhar e desenvolver políticas públicas que corrijam os desequilíbrios ou desigualdades que se possam detetar em cada local”.

Neste sentido, reforçou que “este Mapa não é um ponto de chegada. É um ponto de partida para desenhar o futuro dos territórios do Eixo Atlântico desde fatores de desenvolvimento sustentável, igualdade, equilíbrio territorial e universalidade no acesso aos serviços públicos, ajudando a eliminar as possíveis brechas de género, digitais ou geracional que persistem na nossa sociedade”, políticas que, “ajudem a Galiza e o Norte de Portugal a avançar na Agenda 2030, que quer avançar na consecução de cidades mais inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis”.

Para o secretário-geral do Eixo Atlântico, Xoán Vázquez Mao, “a situação que estamos a viver com a tripla crise; a económica, a pandémica e, agora, a guerra na Ucrânia; provocam um incremento das situações de vulnerabilidade e empobrecimento ao que se une, no nosso território, o problema de envelhecimento e o baixo poder de compra nas áreas rurais e o problema da brecha digital que afeta aos mesmos setores”. Assim, afirmou que é absolutamente prioritário “que apostemos na política social desde o conhecimento da realidade e, para isso, poder definir as atuações que se devem empreender com a maior urgência”.

Partilhar informações entre as cidades para corrigir desigualdades

O Mapa de Coesão não é só uma fotografia de cada cidade que pertence ao Eixo Atlântico, pretende também a partilha informações entre os municípios para corrigir as desigualdades e melhorar as políticas coincidindo com os reptos globais do âmbito local fixados na Agenda Urbana. “E isso é o que fizemos de uma forma inovadora porque é a primeira vez que um sistema urbano transfronteiriço aposta na elaboração de um mapa de coesão para conhecer a situação exata do território e comparar no âmbito da coesão social”, sublinhou Xoan Vázquez Mao.

O Mapa de Coesão, o primeiro de um sistema urbano transfronteiriço, estuda a complexidade social, a igualdade de oportunidades, as brechas da vulnerabilidade; a digitalização, a brecha digital; a competitividade económica, o emprego digno e a brecha geracional.

Depois da análise, Roberto San Salvador, autor do relatório e Diretor da Equipa de Investigação Deusto Cities Lab Katedra, concluiu que a coesão territorial das cidades e entidades do Eixo Atlântico evolui melhor que as desigualdades intraurbanas. Além disso, os dados que se mostram no relatório refletem um importante grau de coesão. Para San Salvador, “as pessoas em situação de vulnerabilidade e exclusão precisam políticas sociais, mais personalizadas, mais transversais, mais integradas”, e por isso, assinala o autor, “Temos que atender as brechas de vulnerabilidade e exclusão que se estão a abrir nas nossas cidades e territórios”

Os núcleos urbanos que pertencem ao Eixo Atlântico partilham uma abrangência dos sistemas de saúde e educação universais, a perceção de segurança é generalizada, a penetração digital e as transformações socioeconómicas alcançaram todos os espaços físicos. A maioria dos seus habitantes, independentemente de onde vivam, gozam de uma elevada esperança de vida, têm acesso a uma alimentação de qualidade, vivem em bairros/ freguesias e casas que lhes permitem levar uma vida digna, com acesso a espaços verdes e transporte público de qualidade.

O estado de bem-estar define-se pela abrangência às minorias

Em mudança, existem 25% de pessoas que se encontram em risco de pobreza e exclusão, em maior ou menor grau, e que se concentram em similares percentagens em todas as cidades que compõem a Eurorregião.

A Blisq Creative é uma agência de comunicação, especialista em planeamento estratégico, marketing digital, design e web. Orientamo-nos pela estratégia e pela criatividade

Programas de Autor

Episódios Recentes Ver Mais

Notícias

Nacional 18 Junho, 2024

População residente em Portugal aumentou em 2023 pelo quinto ano consecutivo

A população residente em Portugal aumentou em 2023, pelo quinto ano consecutivo, ultrapassando 10,6 milhões, anunciou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Desporto 18 Junho, 2024

Portugal estreia-se no Euro2024 com a República Checa em Leipzig

Portugal estreia-se hoje no Euro2024, com um duelo frente à República Checa, em Leipzig, na Alemanha, no dia em que arranca o Grupo F e em que fica fechada a primeira jornada da fase de grupos.

Regional 18 Junho, 2024

Viana do Castelo assinala 766 anos do Foral Afonsino com homenagem aos trabalhadores com 40 anos de serviço

A 18 de junho, no dia em que celebra os 766 anos do Foral Afonsino, a Câmara Municipal de Viana do Castelo entregou 15 medalhas e diplomas pelos “Bons Serviços e Dedicação” e pelo contributo para a dignificação da função pública e elevação do serviço municipal aos funcionários que completaram ou estão a completar 40 anos de serviço. 

Nacional 18 Junho, 2024

Mais de 30 mil alunos faltaram à prova de aferição de Português

Mais de 30 mil alunos, num universo de 100 mil, faltaram à prova de aferição de Português do 2.º ano, revelou o coordenador nacional do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (Stop), André Pestana.

Desporto 18 Junho, 2024

Fábio Sequeira e Vítor Sousa estão de volta ao SC Vianense

A Sport Clube Vianense, Futebol SAD já prepara a nova época. A equipa principal do clube centenário de Viana do Castelo que vai ser orientada pelo treinador Pedro Lomba no Campeonato de Portugal, já começa a definir o plantel que vai lutar pelo regresso à Liga 3.

Cultura 18 Junho, 2024

Maestro Martim Sousa Tavares apresenta o livro “Falar Piano e Tocar Francês” em Ponte da Barca

No próximo dia 3 de julho, às 21h30, o auditório municipal de Ponte da Barca será o cenário da apresentação do novo livro de Martim Sousa Tavares, intitulado "Falar Piano e Tocar Francês".

Cultura 18 Junho, 2024

Festival Contrasta 2024 está de regresso a Valença e já esgotou bilhetes para o último dia

A terceira edição do Festival Contrasta está de volta a Valença, nos dias 12 e 13 de julho. Apesar dos bilhetes já estarem esgotados para sábado, dia 13 de julho, com as atuações de Manu Chao, Manel Cruz e o Dj Alex Moon, ainda há bilhetes para o dia anterior que conta com Richie Campbell, Yang e a Dj Carolina Torres.