Logo
Desporto

Mundial de futebol em 2030 vai ter 104 jogos em 18 estádios

21 Outubro, 2023 | 10:50
Partilhar
Viana TV
3 min. leitura

Portugal, Espanha e Marrocos apresentam o dossiê da organização do mundial de futebol de 2030 em julho de 2024 e a previsão é que sejam usados 18 estádios para receber 104 jogos, disse o coordenador da candidatura.

O português António Laranjo, que falava numa conferência dedicada à sustentabilidade no desporto na sede do Comité Olímpico Espanhol, em Madrid, revelou que quando esta candidatura começou a ser trabalhada, o cenário era um campeonato com 80 jogos e 14 estádios, mas entretanto houve “um incremento brutal”.

Dos 104 jogos previstos no Mundial2030, três serão de celebração do centenário dos campeonatos mundiais de futebol e terão lugar na Argentina, Uruguai e Paraguai, não estando abrangidos pela candidatura de organização do evento apresentada pelas federações de Portugal, Espanha e Marrocos.

Segundo António Laranjo, a candidatura já fez “visitas técnicas” a três estádios em Portugal e a 15 em Espanha e vai agora fazer o mesmo trabalho em Marrocos.

O objetivo dessas visitas é fazer um relatório de diagnóstico, com os requisitos da FIFA (a federação internacional de futebol) que os estádios cumprem e os trabalhos necessários de remodelação ou de ajustamento, e assim, em paralelo, chegar também a um orçamento, disse António Laranjo.

Segundo explicou, os estádios em causa foram divididos em quatro grupos, estando no primeiro aqueles que estão prontos e preparados para receber de imediato um jogo do campeonato mundial.

Os três estádios portugueses considerados estão todos nesta situação, afirmou António Laranjo.

O Estádio da Luz, em Lisboa, o maior recinto desportivo português, com uma capacidade a rondar os 65 mil espetadores, o Estádio do Dragão, no Porto, e o Estádio José Alvalade, também na capital, ambos com aproximadamente 50 mil lugares, são os únicos recintos nacionais que correspondem às exigências da FIFA para acolher encontros de Mundiais.

“Em Portugal, felizmente, vamos trabalhar com um conjunto de estádios no grupo 1, com capacidade para o campeonato, e não vamos construir nenhum para além daqueles que já temos”, disse hoje o coordenador da candidatura.

Também Espanha e Marrocos têm “vários estádios” neste primeiro grupo.

Os restantes casos são estádios que precisam de “pequenas reformas”, como aumento de lugares nas bancadas ou outros “ajustamentos” para serem incorporados na candidatura (grupo 2); estádios que já estão neste momento em remodelação ou em construção (grupo 3); estádios que precisam de reformas mais profundas ao até, “em algum caso”, de serem eventualmente construídos (grupo 4).

António Laranjo disse que não daria mais detalhes sobre os estádios por faltarem visitas e estar em curso a elaboração do relatório de diagnóstico.

Na intervenção nesta conferência, António Laranjo garantiu haver um compromisso de serem feitos investimentos “onde se justifiquem” e em infraestruturas que as pessoas possam usar no futuro.

“Não queremos construir por construir, não queremos estádios para ficarem vazios e sem público depois do campeonato”, afirmou, dizendo ainda que “o foco nos estádios” não é o único “e nem sequer o mais importante”.

António Laranjo deu como exemplo os custos de um estádio, cuja construção pode alcançar dezenas ou centenas de milhões de euros, e o de um centro de treinos, que pode ser conseguido com dois milhões de euros.

No primeiro caso, a expectativa é ser cenário de um jogo a cada duas semanas, enquanto um centro de treinos pode receber “crianças e jovens a fazer desporto desde as oito da manhã até às nove ou dez da noite”.

“É preciso racionalidade no que fazemos, investir na política sustentável do desporto. As pessoas são o centro, o foco do que queremos na nossa candidatura”, reforçou.

António Laranjo acrescentou que candidatura tem preocupações ambientais e de sustentabilidade, assim como sociais, com preocupações e objetivos que passam pela diversidade ou o multiculturalismo.

Segundo explicou, foi feita uma parceria com o Comité Olímpico e com a consultora Deloitte para desenvolver a candidatura na área ambiental, para que o mundial seja “efetivamente sustentável”.

António Laranjo explicou que os Jogos Olímpicos, o maior evento desportivo do mundo, são sustentáveis e o Comité Olímpico tem essa experiência, que pode ser agora aproveitada para o Mundial’2030, que será, por seu turno, o evento desportivo cm maior disseminação territorial, estendo-se por vários continentes e países.

A candidatura pretende ainda ter “um pilar de investigação”, para desenvolver, adaptar e aproveitar melhor as novas tecnologias nos estádios, por exemplo.

A Blisq Creative é uma agência de comunicação, especialista em planeamento estratégico, marketing digital, design e web. Orientamo-nos pela estratégia e pela criatividade

Programas de Autor

Episódios Recentes Ver Mais

Notícias

Regional 21 Maio, 2024

Governo pede urgência em inquérito à morte de doente no hospital de Viana do Castelo

O Ministério da Saúde pediu que o inquérito aberto pela Unidade Local de Saúde do Alto Minho para apurar as circunstâncias da morte de um doente no hospital de Viana do Castelo “decorra com a urgência desejável”.

Regional 21 Maio, 2024

Três hectares de baldios em Arcos de Valdevez reflorestados com 1.350 laranjeiras

A REN – Redes Energéticas Nacionais e a União de Freguesias de São Jorge e Ermelo, em Arcos de Valdevez, plantaram hoje mais de 1.350 laranjeiras em três hectares de terrenos atravessados por linhas de transporte e energia.

Regional 21 Maio, 2024

Foco de surto de ‘legionella’ em Caminha que causou um morto ficou por identificar

O surto de ‘legionella’ que surgiu em novembro em Caminha afetou 10 pessoas, provocou um óbito e a fonte de contaminação não foi identificada, revelou hoje à Lusa o delegado de Saúde do Alto Minho.

Regional 21 Maio, 2024

Hospital de Viana do Castelo abre inquérito à morte de doente na urgência

A Unidade Local de Saúde do Alto Minho abriu um processo de inquérito para apurar as circunstâncias da morte de um homem na urgência do hospital de Viana do Castelo, na sexta-feira, a quem foi atribuída a pulseira verde.

Regional 21 Maio, 2024

CIM Alto Minho formaliza assinatura do Compromisso C-Academy com CNCS

A Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho) e o Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) acabam de formalizar a assinatura do Compromisso C-Academy, que comtempla o desenvolvimento de um programa de formação avançada em cibersegurança destinado a colaboradores das câmaras municipais e da comunidade intermunicipal.

Regional 21 Maio, 2024

Caminha: Presidente da APIMIL explicou perigos da proliferação da Vespa Asiática e métodos de combate

A vespa velutina ou asiática veio para ficar e as alterações climáticas vão alargar as áreas onde a espécie está presente. São perigosas, têm enorme impacto nos apiários, na economia, no ambiente e até na saúde pública, mas a boa notícia é que são controláveis e com relativa facilidade, através de “armadilhas” que todos temos em casa. A ideia poderia de alguma forma sintetizar a comunicação do presidente da APIMIL - Associação dos Apicultores de Entre-Minho e Lima, Alberto Dias, ontem, na sessão que assinalou o Dia Mundial da Abelha e que teve lugar na Incubadora Verde, em Argela.

Cultura 21 Maio, 2024

“Cantar de Galo” sobe ao palco do centro cultural de Paredes de Coura 

Esta sexta-feira, dia 24 de maio, a companhia Mala Voadora traz a Paredes de Coura a sua recente estreia "Cantar de Galo", que culmina numa discussão entre o Galo de Barcelos e Salazar. Um "solo" de Jorge Andrade com texto do Pulitzer Robert Schenkkan, no Centro Cultural, às 21h30.