Logo
Nacional

Centenas de professores em protesto no “último grito” antes das eleições

17 Fevereiro, 2024 | 19:41
Partilhar
Viana TV
3 min. leitura

Centenas de professores de todo o país estão hoje a manifestar-se em frente ao parlamento, em Lisboa, naquele que consideram "o último grito" pela escola pública antes das eleições.

À frente do protesto, que desceu do Largo do Rato para São Bento, professores seguram uma grande tarja que diz “Marcha pela Educação” e o ‘slogan’ é gritado com musicalidade “1, 2, 3 já cá estamos outra vez, 4, 5, 6 estamos fartos outra vez, 7,8, 9 já ninguém nos demove”.

Vários cartazes trazem inscritas palavras de ordem em defesa da escola (“A educação é cara? Experimentem a ignorância”) e são comuns os cravos vermelhos a contrastar com ‘t-shirts’ pretas.

“Chamámos [a esta manifestação] ‘o último grito antes das eleições’. Mas não vai ser de todo o último grito da escola pública. Vai continuar a luta pelos alunos, pela escola pública, pela educação”, afirmou à Lusa Esperança Calçada, que veio de Viana do Castelo.

A professora de português e inglês traz ao peito um crachá com Mafalda, a personagem de banda desenhada de Quino, a gritar “Basta”, e carrega um bombo típico do Minho para animar a manifestação.

Esperança Calçada diz que se sente a repetir a cada protesto, mas tem de o fazer porque não há melhorias na educação e a sua principal reivindicação, além da recuperação do tempo do serviço, são as condições de trabalho nas escolas, dando o exemplo de não haver professores em número e competências adequadas para alunos com necessidades educativas especiais.

Francisco Marques, do Porto, contou à Lusa que é a sétima vez que se manifesta em Lisboa e que nem tem os 6 anos, 6 meses e 23 dias de tempo de serviço para recuperar, porque voltou à profissão mais recentemente, mas que o faz para reivindicar que a “educação deste país seja planificada como deve ser, que está em cacos”, sem professores e outros profissionais necessários, com instalações precárias e os professores sem exigência e a autoridade que devem ter.

“Acima dos salários, que são baixos, este problema é mais grave. Eu sinto-me muito mais desconsiderado pela ausência de exigência. Quando os professores deixarem de ser exigentes, deixarem de vir às manifestações, deixarem de exigir uma escola melhor, temos um país irremediavelmente hipotecado” afirmou.

O professor de Português considerou que os encarregados de educação tiveram já, eles próprios, um ensino facilitado pelo que também a sua exigência é cada vez menor.

“Há uns anos as pessoas não compreendiam as cartas das finanças, do banco, e pediam a um vizinho que lhas lesse. Nós vamos ter esse problema agora, mas as pessoas vão estar com o 12.º ano, não sabem ler, escrever, interpretar”, disse, considerando ainda um “escândalo” o modo como é tratado o ensino profissional, que deveria ser vocacional, e é usado pelos governantes como “escape para a não aprendizagem”.

Aliás, disse, os Governos usam sucessivamente “disfarces” para “para enganar as entidades externas e os portugueses” quanto aos resultados da educação.

Este protesto foi organizado por um grupo de professores, à parte de sindicatos, e foi divulgado em grupos e redes sociais. Ao megafone, vários professores apelaram à união da classe e que a luta não pertence a qualquer partido ou bandeira e que não parará até obter o reivindicado.

Vários partidos se fizeram representar, sendo Rui Tavares, do Livre, o único líder partidário presente.

À Lusa, Rui Tavares considerou essencial valorizar a profissão de professor até para que os jovens tenham vontade de ir para a carreira.

“O Livre está aqui para dizer que Portugal precisa de fazer um contrato com o seu futuro. Os partidos democráticos têm de oferecer um horizonte de progresso para o país”, afirmou, considerando que não se consegue resolver os problemas nos primeiros meses, mas é possível negociar acordos quer com professores quer com outros setores (hoje frente ao Parlamento também houve manifestação de oficiais da justiça).

Pelo Chega, Gabriel Mithá Ribeiro disse que os professores precisam de melhores condições laborais, menos burocracia e ter capacidade de disciplina. Afirmou ainda que o Chega quer reduzir horários e currículos e, com isso, racionalizar a despesa, “sem prejudicar quem está na carreira”.

Do Bloco de Esquerda, Fabian Figueiredo considerou essencial “virar a página da conflitualidade dentro da escola pública” e valorizar os professores, até para a carreira ser atrativa.

 

Fotografia: Augusto Lemos

A Blisq Creative é uma agência de comunicação, especialista em planeamento estratégico, marketing digital, design e web. Orientamo-nos pela estratégia e pela criatividade

Programas de Autor

Episódios Recentes Ver Mais

Notícias

Desporto 12 Junho, 2024

Juventude Viana oficializa André Torres como treinador na 1ª divisão

A Juventude Viana oficializou a renovação de André Torres como treinador para a próxima época. O clube de hóquei em patins de Viana do Castelo recorda que Torres "foi o timoneiro na subida à 1ª divisão nacional".

Nacional 12 Junho, 2024

Aprovada na especialidade proposta do PS que elimina portagens nas ex-SCUT

Os deputados da Comissão de Economia, Obras Públicas e Habitação aprovaram hoje o projeto dos socialistas que elimina as portagens nas ex-SCUT, durante a votação na especialidade.

Regional 12 Junho, 2024

Câmara de Viana do Castelo esclarece diferendo com o grupo AVIC

Após o grupo Avic anunciar a suspensão, a partir de quinta-feira, de serviços de transporte público urbano e interurbano e em horários em várias carreiras, acusando a Câmara de Viana do Castelo de “impor prejuízos permanentes às empresas”, a autarquia liderada por Luís Nobre não se deixou ficar e respondeu de imediato com um longo comunicado.

Desporto 12 Junho, 2024

Oitava etapa da Volta a Portugal em bicicleta parte de Viana do Castelo a 2 de agosto

A 85.ª edição, cujo percurso foi hoje apresentado, arranca com um prólogo em Águeda, em 24 de julho, e percorre um total de 1.540,1 quilómetros até Viseu, onde, em 04 de agosto, será coroado o sucessor de Colin Stüssi (Vorarlberg) após um contrarrelógio individual. De Viana do Castelo partem os ciclistas para a oitava etapa com destino a Fafe.

Regional 12 Junho, 2024

“Respira a Vida”: O diário de uma aventura superada com orgulho

A Viana TV esteve a acompanhar o "Respira a Vida" do inicio ao fim. Marcamos presença em todas as etapas. "Orgulho", "resiliência", "solidariedade" são alguns dos adjetivos utilizados na receção dos 13 companheiros de aventura nas diversas autarquias. O grupo partiu Santa Marta de Portuzelo rumo a Lisboa a pedalar, num total de quatro etapas totalizando mais de 400 quilómetros.

Regional 12 Junho, 2024

Centros de Saúde de Ponte de Lima e Freixo vão ser requalificados

O Município de Ponte de Lima deu mais um passo significativo na melhoria dos cuidados de saúde prestados à população local com a assinatura dos contratos de Financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor superior a 1.5 milhões de euros. O investimento aprovado vai ser realizado até dezembro de 2025. 

Regional 12 Junho, 2024

“Vinhos do Atlântico – Exposição do Noroeste” junta gastronomia, música e vinhos em Valença

O Município de Valença acolhe, este fim de semana, 14 e 15 de junho, a exposição transfronteiriça "Vinhos do Atlântico – Exposição do Noroeste", na Coroada (Fortaleza).